Compartilhe:

Contracepção de Emergência: Também chamada de pílula do dia seguinte

Contracepção de Emergência é o único método atualmente disponível e legal para ser utilizado após a relação sexual. Também conhecido como a pílula do dia seguinte.

Publicado por: Cida Ramos

pilula-do-dia-seguinte-metodo-contraceptor-capa

O que é Contracepção de Emergência? (ou anticoncepção de emergência)?

R- Contracepção de Emergência é o único método atualmente disponível e legal para ser utilizado após a relação sexual.Também conhecido como a pílula do dia seguinte.

É um método contraceptivo PARA SITUAÇÕES DE EMERGÊNCIA que pode ser usado até 5 dias depois que a relação sexual já aconteceu e houve risco de gravidez. Quanto mais rápido é o uso maior a eficácia.

Recomendado para casos de estupro, problemas com o método de uso regular (falha da camisinha, expulsão do DIU, deslocamento do Diafragma), e eventual relação sem proteção. É feito a base de doses fortes de hormônios (levonorgestrel) que impedem a ovulação e a mobilidade dos espermatozóides no útero, impedindo a fecundação e, conseqüentemente, a gravidez.

Ele pode ser usado na forma de dose pronta (com eficácia média melhor, contra a gravidez de 99,9%) ou através de doses combinadas (método YUSPE) a partir de pílulas anticoncepcionais orais (com eficácia média contra a gravidez de 96,8%).

Importante:

– Não é um método para ser usado com freqüência, só em situações de emergência, pois usado regularmente ou com repetição pode desregular o ciclo menstrual e facilitar uma gravidez. Quando tomado regularmente tende a falhar mais que os outros contraceptivos de uso regular.

– Deve ser utilizado quando houve falha da camisinha feminina ou masculina, relação com o diafragma deslocado, relação sem uso de qualquer método contraceptivo ou em caso de estupro.

– Quanto mais cedo for tomada maior sua eficácia contra a gravidez.

 -O efeito após 5 dias é mínimo, seu maior efeito é nas primeiras 72 hs depois da relação sexual.

 -Não funciona para as relações sexuais mantidas depois que for tomada (só protege das anteriores).

 -A contracepção de emergência não é abortiva, por isso ela não causa sangramentos.

-Como utilizar a Contracepção de Emergência?

– Tomar até 5 dias (120 horas) no máximo após a relação sexual, após esse período, ela pouco funciona.

– Se ainda não tiver passado os 4 dias, de preferência deve ser usada a dose pronta, de 1 ou a de 2 comprimidos, que é distribuída gratuitamente em postos de saúde de algumas cidades brasileiras ou vendida em farmácias.

Na dose pronta:

Disponível em alguns postos de saúde ou farmácias

1 comprimido a base de levonorgestrel com os nomes comerciais:

– Postinor Uno (Laboratório Aché)

– Pozato Uni (Laboratório Libbs)

Tomar o comprimido o quanto antes, logo que for possível após a relação sexual. Quanto mais cedo for ingerida maior eficácia tem contra a gravidez.

OU   

2 comprimidos a base de levonorgestrel com os nomes comerciais:

– Postinor 2 (Laboratório Aché)

– Pilem (Laboratório União Química)

– Pozato (Laboratório Libbs)

– Nogravide (Laboratório Hebron)

– Minipil2-Post (Laboratório Sigma Pharma)

– Diad (Laboratório Simed)

– Poslov (Laboratório Cifarma)

– Prevyol (Laboratório Legrand/Sigma Pharma)

O primeiro comprimido deve ser tomado o quanto antes, logo que for possível, pois quanto mais cedo for ingerida maior eficácia tem contra a gravidez. O segundo pode ser tomado junto com o primeiro ou após 12 hs após o primeiro. 

Caso haja vômitos até duas horas após sua ingestão, é preciso repetir o uso da dose. Se o vômito se repetir a pílula pode ser colocada dentro da vagina para absorção direta.

É aconselhável tomar os comprimidos sempre junto com a ingestão de leite e/ou alimentos para evitar náuseas, enjôos, vômitos ou dor de cabeça.

Não costuma haver sangramentos com o uso da contracepção de emergência, porque ela não é abortiva, é preciso esperar a menstruação vir normalmente (pode atrasar ou adiantar uns dias).

Depois de tomar a contracepção de emergência, é preciso usar a camisinha em todas as relações sexuais até a menstruação vir, pois ela não protege para frente, só da relação sexual que já ocorreu. A menstruação pode adiantar ou atrasar alguns dias da data prevista.

Escolha um método contraceptivo para uso regular. Tomar a contracepção de emergência repetidamente desregula a menstruação e facilita a gravidez.

NA DOSE COMBINADA: a dose combinada só deve ser usada quando não há condições de tomar a dose pronta. A dose combinada (método YUSPE) pode ser feita com as seguintes pílulas anticoncepcionais orais (uma das marcas abaixo):

– Pílulas de Baixa Dosagem (Nordete, Microvlar e Levordiol):

– 1ª dose: 4 comprimidos logo que possível

– 2ª dose: 4 comprimidos, 12 horas após a 1ª dose

– Pílulas de Média Dosagem

(Neovlar, Evanor e Normamor):

– 1ª dose: 2 comp. logo que possível

– 2ª dose: 2 comp. 12 horas após a 1ª dose

Vantagens e Desvantagens no Uso da Contracepção de Emergência

Vantagens:

O único método contraceptivo que pode ser utilizado pela mulher após a relação sexual.

No caso de falha do método, não causa efeitos colaterais (teratogênicos) no feto.

Não é abortiva, previne o aborto

Previne a Gravidez Não-Planejada como mais uma opção contraceptiva.

Desvantagens:

Os comprimidos possuem alta concentração de hormônios e só devem ser utilizados em casos de emergência.

Em mulheres que amamentam, pode diminuir a quantidade do leite materno.

Os comprimidos podem causar efeitos colaterais leves como: náuseas, vômitos, tontura, desconforto nas mamas e dor de cabeça. (Para minimizar as náuseas tome os comprimidos após comer algum alimento)

A menstruação pode adiantar ou atrasar alguns dias.

O uso repetido ou freqüente desregula o ciclo menstrual e facilita a gravidez mais do que os outros métodos.

Medicamentos, como barbitúricos e alguns antibióticos, podem reduzir a eficácia deste método.

Não previne contra as DST/AIDS.

Fonte: http://www.redece.org

 

 

Recomendado para você

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *